joio

RECICLAR-SE


joio

Hoje se fala tanto em reaproveitamento e reciclagem, para subsistência do meio ambiente. É necessário que tenhamos consciência que tal ocorre conosco.

Dentro de um macrocosmo infinito, somos pequenos microcosmos, e cada célula nossa por sua vez também funciona como um pequeno universo onde engrenagens perfeitas faz com que a vida permeie nossos músculos, nervos e órgãos. Enquanto houver a energia vital, lá estaremos neste planeta, participantes obrigatórios de uma viagem para qual viemos com passagem de volta, e portanto devemos aproveitar todas as oportunidades , cada pernoite neste planeta, cada manhã que surge sorridente através do Sol.

E assim, devemos ter a percepção que vamos acumulando nosso próprio lixo, lixo mental, de hábitos, de conflitos, de sentimentos deteriorados, que não podem ocupar nosso espaço, pois interferem e pesam desnecessariamente em nossa bagagem.

Iludidos estaremos se acharmos que o joio e o trigo só existe externamente. Temos que perceber a ferrugem corrosiva, a oxidação da capacidade de sentir, o envenenamento progressivo que permitimos ao contato com influências deletérias. É obrigatório pararmos um pouco de vez em quando, reciclar tudo isso, nos despojarmos destas impurezas, para que a vitalidade nos preencha de novo, a compreensão, a superação, a visão de novos caminhos e novas direções.

Sobretudo valorizarmos os momentos preciosos de crescimento, mesmo os dolorosos, e mais ainda aqueles plenamente felizes com que somos brindados, e aprendermos a dosar nosso termômetro interno, preenchendo cada parte de nós com a parte boa de cada momento, e deixando fluir tudo o que não é bom, impermeabilizando a alma de toda e qualquer sombra.

Como todas as palavras acertadas de nosso querido Chico Xavier, vamos tê-las como exemplo: “Vida e Leveza – só o que deve encher seu coração é o Amor e a Alegria. Desvencilhe-se de tudo o mais”.

Que nosso Pai Maior nos forneça a blindagem necessária contra as ervas daninhas que por vezes querem crescer em nosso cerne, e que prossigamos cultivando as flores do Jardim da Alma, para que ao nosso redor só exista o perfume de nossas boas atitudes. Prossigamos identificando o joio de nossas mentes e corações, amealhando-as para podermos desfazer delas de uma só vez. Quando teimar em crescer, mais uma vez, tenhamos capacidade de reconhecê-lo e só permitir o trigo que alimenta nossas almas de Paz e Serenidade.

Alex de Oxóssi

Rio Bonito – RJ