CABOCLOS DE COURO – AMIGOS DE OURO


pa1Espíritos que em encarnação recente viveram no agreste, agregaram-se às fileiras da Luz Divina, essa Umbanda que vela pela população brasileira, e no astral se irmana à Espiritualidade Superior que envolve todo o Planeta.

Espíritos que foram fortalecidos e burilados pelas condições difíceis, pelas dificuldades da vida, que encontravam na caatinga sua alegria e sustento.

Boiadeiros, Mineiros, Cangaceiros, cujas vidas eram ligadas aos animais e à natureza, ao vigor e à necessidade. Que viveram conhecendo o valor das pequenas coisas, do por do sol e do nascer do sol, do arroio pequeno com a água pouca, as paixões fartas e a alma imensa, aderida ao céu e às estrelas.

Os Boiadeiros que foram do cangaço, que lutaram pela liberdade, que sabiam o valor do trabalho, da união, pois sem união não se sobrevive na paisagem inóspita. Que aprenderam o significado de justiça e do que realmente vale a pena, e que na espiritualidade estas qualidades foram refinadas para seu uso no Bem, e que hoje escoltam aquele que moureja nesta Terra Fria, que quer manter os valores da moral e da verdade.

O Boiadeiro de Umbanda anda sob as ordens do Senhor Ogum, trabalha junto aos caboclos de pena, e caminham entre os pretos velhos contra as mais difíceis demandas. Trazem em seu lema o destemor e a Fé, inquebrantável Fé na Justiça Divina, e assim seguem no compromisso de ajudar os filhos da Terra que ainda estão lutando contra as más tendências, contra as injustiças e intempéries morais.

Boiadeiro, às vezes esquecido, mas incansável em proteger-nos das demandas, das investidas do mal, intemeratos, persistentes, sempre presentes, cordatos e vigilantes, quando nem mesmo imaginamos que estamos sob ataque espiritual.pa2

Junto dos boiadeiros e cangaceiros, há também ajudando, quase desapercebidas, as boiadeiras e cangaceiras, da mesma linha, e com a mesma Força, que através do trabalho árduo vêm se burilando, porque sabem que se espera se perfeito para trabalhar nas caravanas do Bem, da Luz, em nome de Oxalá.

Quando em sofrimento, quando a alma estiver angustiada, quando a vida estiver pesada, peça aos Boiadeiros, trabalhadores de todas as horas, para que façam valer sua Força e a sua Luz, orientando para os caminhos certos, desde que se compreendam os valores morais, os limites de certo e errado, a dimensão da justiça, a Lei de Retorno, do Equilíbrio, do Bem, conscientes da Luz e sombras que nos cercam, e eles sempre nortearão por caminhos que já trilharam e hoje adquiriram a Sabedoria, sendo generosos e pródigos em nos aconselhar.

Saravá os Boiadeiros da Umbanda! Jetruá Boiadeiro!

Alex de Oxóssi
Rio Bonito – RJ