AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM


auto1

 

Para se prosseguir na caminhada equilibradamente, cada um deve cultivar a autoestima, isto é, a conservação sadia do seu ego.

Não se deve confundir com o cultivo da autoimagem, que leva frequentemente à hipertrofia deste ego.

O ego significa o eu de cada um, o qual procura harmonizar os desejos e a realidade. Baseia-se, de acordo com Freud, nas vivências de eventos anteriores que se adequam à realidade do indivíduo. Embora, nós, que acreditamos na reencarnação, saibamos que memórias ancestrais vão interferir no desenvolvimento de nossa personalidade, as dívidas que carregamos, as lições que temos de aprender, tudo isso influenciará com certeza nessa construção do eu.

É necessário perceber-se, e ao mesmo tempo ter a percepção que se está adequado à vida. A sensação de inadequação é fruto de vivências que prejudicaram a percepção do eu frente ao mundo. E assim, o indivíduo pode ficar oscilando entre a “minusvalia” e a “plusvalia”, até chegar ao equilíbrio. Ou pode cristalizar-se em algum destes extremos indesejáveis, que seria a autoestima muito baixa, ou excessiva.

Uma deturpação na autoestima poderá levar a pessoa ao enaltecimento da autoimagem, ou transformá-lo em portador de insegurança crônica. Se o indivíduo for médium, serão nestes pontos fracos que os inimigos da Luz irão atacá-lo, jogando-o em estados alternantes de desorientação e inadequação diante o mundo.

A autoestima, quando diminuída, pode-se refletir como um complexo de inferioridade, sentimento de incapacidade, apatia, desencorajamento, que refletem indiferença para com os próprios valores pessoais e geralmente se apresenta como um estado de tristeza. Em contrapartida, na ampliação equivocada da mesma, refletindo-se na autoimagem, reveste-se de arrogância, prepotência, orgulho, ditatoriedade, egotismo, até chegar à crueldade, maldade, e vingança, além da manipulação de situações a seu favor, de forma arbitrária.

auto A autoestima equilibrada, que deve ser a busca de cada um, é o respeito a si mesmo e tudo e todos ao seu redor.

Quando estamos na ilusória faixa vibratória do eu, falamos e não sabemos ouvir, e há intensa necessidade de ser o centro das atrações.

Quando nossa autoestima é saudável, temos tempo e paciência para escutar, mais que falar.

Quando o ego nos assalta, começamos a julgar e a criticar a todos, perdendo a noção de compaixão e compreensão pelas pessoas e o mundo à nossa volta. Ao contrário, uma boa autoestima permite-nos aceitar e ouvir o ponto de vista dos outros, mesmo que não concordemos com eles, entretanto, sem nos influenciarmos, estabelecendo limite ao que somos e queremos e ao que os outros esperam de nós.

A impaciência, ou ansiedade são sinais claros que queremos dominar o tempo, e o que está ao nosso redor. Nesse caso, é tempo de parar, olhar mais para nós mesmos e deixar de culpar os outros se as coisas não estão andando certas.

Estar atento é necessário quando se quer uma vida emocional e mental mais calma e serena. Se formos depender do outro para uma aceitação plena, iremos viver sempre sem autoestima.

Nossa percepção às vezes é afetada pelo cansaço, estresse, forte autocrítica, de forma que nos sentimos insatisfeitos e inseguros. Todo o ser humano deseja ser aceito e apreciado, e no lado oposto, reage mal às críticas.   Se por um lado, como dizia Chico Xavier, devemos evitar as críticas, cultivando em primeiro lugar a candura e o silêncio, nem sempre é possível evitá-las.

Se formos esperar do outro uma aceitação plena, vamos sempre viver sem autoestima. Assim, ela não pode estar vinculada à apreciação positiva ou negativa do outro.

Nossa autoestima no dia a dia vem e vai. Mas precisamos trabalhar esta auto aceitação, e com ela, a vontade de progredir. Manter o controle das emoções, a energia positiva inquebrantável, e a religiosidade e a Fé, que nos traz calma, serenidade, equilíbrio, a busca de uma visão correta e tranquila do que se passa ao redor e no nosso interior.

È necessário cultivar a autoestima todos os dias, convivendo com as fases boas ou menos boas, procurando não se desequilibrar com emoções descontroladas em uma ou outra ocasião. Manter sentimentos menos bons se transformarão em desperdício de energia, então vamos evitar críticas, apreciações negativas à nós mesmos e aos outros, e ao contrário, trazer até nossos coração, o Sol, a Luz, a vontade de lutar, vencer barreiras, atingir novas etapas e objetivos mas dentro da simplicidade, da placidez, da paz imperturbável.

 

Alex de Oxóssi

Rio Bonito – RJ