POESIA PARA OGUM


Paulo Lourenço

Lá do horizonte vem um cavalo branco,
saltando ribeiros, cruzando caminhos.
É meu pai Ogum que lá vem.
É para si meu pai que agora canto.
Vem nos dizer que não estamos sozinhos,
vem nos dizer que há sempre alguém,
e para quem merece estende seu manto.

Senhor meu pai, dono da espada,
senhor do ferro, senhor da lei.
O mal treme só de ouvir seu nome.
Vós que vigias cada estrada errada,
protecção eu peço, senhor meu rei.
Se estiver a meu lado o demónio some,
e não mais terei de ter medo de nada.

Meu pai Ogum, meu pai guerreiro,
leve-me consigo em sua viagem.
Levai-me a ver o outro lado do véu.
Saravá meu pai pelo mundo inteiro,
a papá Ogum eu presto homenagem,
que nossos espiritos se elevem ao céu,
seja esta a mensagem em todo o terreiro.

Almada, 16 de Janeiro de 2006

Retirado do Livro Orixás em Poesia – Autor Paulo Lourenço