Pomba Gira Rosa Caveira fala às mulheres


Tenho percorrido esferas longínquas desta seara, e bem da verdade, quando cá retorno, percebo que as coisas não mudam tanto, a evolução vagarosa na Terra se dá única e exclusivamente pela mente limitada que o ser encarnado possui, a limitação que é exprimida pela negação constante em aceitar o novo, pois tudo se renova constantemente no processo evolutivo natural.

Vejo ainda, muitos encarnados nos confundindo com ex-prostitutas, mulheres perversas ou até criminosas, muitos continuam a assimilar a entidade pomba gira como sendo a escoria do universo feminino.

O fato é que incomodamos ao trazer à tona não só a sensualidade, mas a força e magia que muita mulher esconde.

Durante anos, a mulher buscou independência e igualdade, e vem adquirindo, porém o conceito machista ainda abrange grande parte da sociedade.

Ainda vejo mulheres que se submetem às vontades de seus companheiros de modo a negarem a vontade interior latente, mulheres que se negam a derrubar conceitos pré-moldados e continuam a serem maltratadas ou simplesmente aquelas que aceitam a vida que possuem, com seus dissabores, por medo ou comodismo. Há também aquelas que descobriram seu poder interior e abusam deste.

Não posso deixar de lembrar como eu tenho visto mulheres fortes, que realizam trabalhos tão pesados quanto os homens, mas estes homens que estão se integrando à suas famílias e participando da criação dos filhos, deixando de ser tão-somente o provedor do sustento e passando a serem educadores, pais, tarefa até “pouco” tempo destinada às mulheres.

Vocês costumam dizer que atrás de um grande homem há sempre uma grande mulher, essa frase já demonstra certa limitação, pois ninguém é responsável por impulsionar ou retrair o outro, posso dizer que, um guardião sempre tem uma guardiã ao seu lado, nunca atrás. Dessa forma, um relacionamento jamais dará certo enquanto um se achar melhor ou mais importante que o outro. Os companheiros possuem sempre o mesmo valor.

Trazemos a sensualidade de modo a mostrar o belo, o formoso, nunca o vulgar. Se fomos prostitutas, não! Mas se tivéssemos sido não haveria problema algum, pois passado é tudo o que ficou para trás e o que importa do lado de cá é o agora.

As pombas giras foram mulheres que ocuparam lugar de destaque na sociedade antiga, altamente patriarcal. São aquelas que lutaram por independência e dignidade, doando suas vidas. Aquelas que se movimentaram e construíram histórias como Joana D’Arc.

Eu vivi na Europa em minha última encarnação, na época em que as mulheres eram bruxas naturais e exerciam seus poderes e ritos com liberdade, esta que foi tolhida posteriormente. Fui torturada e enterrada viva por lutar pela minha crença e meus costumes na Santa Inquisição, quando o catolicismo imposto por um homem no poder buscou a tentativa cruel e covarde de abolir o que eles chamavam de paganismo, muitas foram omissas, mas junto a tantas outras eu lutei pelos meus ideais.

Falo às mulheres para que elas deixem de serem omissas no dia-a-dia, para que deixem de negar seus anseios e busquem a felicidade, para que se libertem de pré-conceitos.

Toda mulher é uma bruxa natural e tem seus poderes, assim como o sexto sentido, tem suas magias, assim como o “ser mãe” é a magia da vida. São detentoras de grandes faculdades, mas poucas são as que buscam exteriorizá-las, a maioria prefere se enclausurar sob uma vestimenta que seja agradável à sociedade pré-moldada e esquecem que a felicidade é dádiva de Deus.

Sou uma Pomba Gira, que se utiliza do simbolismo “Rosa Caveira”, que aos 56 anos de vida deixou a carne lutando por liberdade de expressão e crença, e continuo lutando ao lado daqueles que anseiam por liberdade e evolução.

Muitas de nós, pombas giras, já vieram trazer mensagens para desmistificar algumas linhas de pensamento preconceituosas que nos cercam, mas quero atingir outra finalidade com minha mensagem, a de mexer com os sentidos de quem a ler para que este possa soltar seus dons e viver intensamente, pois a vida é a oportunidade mor, e não se espera que a felicidade venha bater à porta, deve-se lutar por ela, buscá-la incessantemente com fé, amor e dignidade!

Sou Rosa Caveira, eu “bato” e não assopro, falo e não volto atrás, amo e não deixo de amar, e estarei sempre ao lado daquele que procura enfrentar os dissabores da vida e ser feliz, não alivio os tormentos de quem cai no erro, mas procuro ajudar a enfrentar as conseqüências de suas escolhas.

Sou pomba gira, sou guardiã, sou bruxa, sou mulher!

Axé

Pomba Gira Rosa Caveira – pela Médium Pandora / Joyce Gorgoll