YORUBÁ – A







ÀÀJÀ – Sineta de metal composta de uma, duas ou mais campainhas utilizadas por pais-de-santo (vd.) para incentivar o transe. Também chamado Adjarin.

ABIÃ – Posição inferior da escala hierárquica dos candomblés ocupada pelo candidato antes do seu noviciado; em yorùbá significa “aquele que vai nascer”.

ABORÔ – Denominação genérica dos òrìsà (vd.) masculinos, por oposição as iabás, que são as divindades femininas.

ADAHUN – Tipo de ritmo acelerado e contínuo executado nos atabaques (vd.) e agogós
(vd.). É empregado sobretudo nos ritos de possessão como que para invocar os òrìsà (vd.).

ADE – Termo com que se designam (nos candomblés) em especial os efeminados e,genericamente, os homossexuais masculinos.

ADÓSÙU – Diz-se daquele que teve o osùu (vd.) assentado sobre a cabeça. 0 mesmo que iaô.

ADUFE – Pequeno tambor. Instrumento de percussão de uso mais freqüente nos xangôs (vd.) no Nordeste.

AFIN – 0 mesmo que ifin. Designa a noz-de-cola branca, na língua yorùbá; por extensão a cor branca (vd. efun).

ÀGBO – Infusão proveniente do maceramento das folhas sagradas as quais se vem juntar o sangue dos animais utilizados no sacrifício e substancias minerais como o sal. Esse Iíquido, acondicionado em grandes vasilhames de barro (porrões), é empregado ao longo do processo de iniciação e para fins medicinais sob a forma de banhos e
beberagens.

AGÈ – Instrumento musical constituído por uma cabaça envolta numa malha de fios de contas, de sementes ou búzios (vd.).

AGERE – Ritmo dedicado a Òsóòsi executado aos atabaques (vd.).

AGOGO – Instrumento musical composto de uma ou mais campânulas, geralmente de ferro, percutido por uma haste de metal.

AGONJÚ – Um dos doze nomes de Sòngó (vd.) conhecidos no Brasil.

AIYÉ – Palavra de origem yorùbá que designa o mundo, a terra, o tempo de vida e, mais amplamente, a dimensão cosmológica da existência individualizada por oposição a òrun (vd.), dimensão da existência genérica e mundo habitado pelos òrisà (vd.), povoado, ainda, pelos espíritos dos fiéis e seus ancestrais ilustres.

ÅJÀLÁ – vd. Òòsàálá.

AJALAMO – vd. Òòsàálá.

AJOGÚN – Palavra de origem yorùbá que designa os infortúnios, como a morte, a doença, a dor intolerável e a sujeição.

ÀKÀSA – Bolinhos de massa fina de milho ou farinha de arroz cozidos em ponto de gelatina e envoltos, ainda quentes, em pedacinhos de folha de bananeira. (Acaçá)

AKIDAVIS – Nome dado nos candomblés Kétu e Jeje (vd. Nação) as baquetas feitas de pedaços de galhos de goiabeiras ou araçazeiros, que servem para percutir os atabaques (vd.).

ÁLÁ – Pano branco usado ritualmente como pálio para dignificar os òrìsà (vd.) primordiais. Geralmente feito de morim.

ALABÊ – Título que designa o chefe da orquestra dos atabaques (vd.) encarregado de entoar os cânticos das distintas divindades.

ALAMORERE – vd. Òòsàálá.

ALÉKESSI – Planta dedicada a Òsóòsi (vd.). Também conhecida como São Gonçalinho – Casaina Silvestre, SW. F LACOURTIACEAE.

ALIÀSE – vd. runko.

AMACIS (ou AMASSIS) – Abluções rituais ou banhos purificatórios feitos com o líquido resultante da maceração de folhas frescas. Entram geralmente em sua composição as folhas votivas do òrìsà do chefe-de-terreiro do iniciando, e as assim chamadas ‘”folhas de nação” (vd.).

ANIL – vd. Wàjì.

ANGOLA – vd. Nação.

ANGOMBAS – vd. Atabaques.

ARREBATE – Abertura rítmica das cerimonias publicas dos candomblés. 0 modo vibrante de tocar os atabaques (vd.); eqüivale a uma convocação.

ÀSE – Termo de múltiplas acepções no universo dos cultos: designa principalmente o poder e a força vital. Além disso, refere-se ao local sagrado da fundação do terreiro, tanto quanto a determinadas porções dos animais sacrificiais, bem como ao lugar de recolhimento dos neófitos (vd. Runko). É usado ainda para designar na sua totalidade a casa-de-santo e a sua linhagem.

ASSENTAMENTO – Objetos ou elementos da natureza (pedra, árvore, etc.) cuja substância e configuração abrigam a força dinâmica de uma divindade. Consagrados, são depositados em recintos apropriados de uma casa-de-santo. A centralidade do conjunto é dada por um òta, pedra-fetiche do òriìsà (vd.).

ATABAQUES – Trio de instrumentos de percussão semelhantes a tambores que orquestram os ritos de candomblé. Apresentam-se em registro grave, médio e agudo, sendo chamados respectivamente Rum, Rumpi e Lé (ou Runlé). Nos candomblés angola são chamados de Angombas. Sua utilização no âmbito das cerimonias, cabe a especialistas rituais (vd. Alabê e Ogã).

AXOGUN – Importante especialista ritual encarregado de sacrificar, segundo regras precisas, animais destinados ao consumo votivo.


Literatura sobre o Assunto:


Uma ideia sobre “YORUBÁ – A

  1. Aline

    Gostaria de saber o que sinifica Ajeum ou Ageum.

    RESPOSTA

    AJEUM – Ato de comer, refeição, comida, verbo comer…

    AGEUM – ceia dos Deuses

Os comentários estão desativados.