I Forum Umbanda por Amor


Comunidade Umbanda por Amor
http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=2034004

I Forum Umbanda por Amor

Programa Completo:
.
09:00hs –Abertura do FórumEu tenho realmente um sonho de que nossa religião algum dia possa ser aceita sem preconceitos, como uma manifestação de fé e caridade, digna de respeito.

Sou a favor de que sejamos mais unidos, em uma federação, congregação ou ONG, que nos defenda politicamente, juridicamente, organize campanhas, etc…
Mas que deixe cada qual com sua forma de ritual.

É tão estranho ver eventos ecumênicos, onde vemos representantes de diversas religiões, como: padres, pastores, espíritas, candomblecistas e Umbandistas. Todos juntos em harmonia. E ver tão poucos eventos exclusivos para Umbandistas ou Candomblecistas em que os representantes dos centros se encontrem em harmonia.

Será que é mais fácil aceitarmos um rabino ou monge budista do que aceitar outro umbandista?? Apenas por diferenças de ritual? O que é isso? Por quê isso? Vaidade? Orgulho? Resistência cultural? Ignorância?

Porque olhar para as diferenças e não buscar as semelhanças?

Deus está muito acima do nome que o chamamos ou de como o cultuamos. O que ele quer é que nos amemos e que nos melhoremos como espíritos.

A nossa UNIÃO e o fortalecimento da nossa representação junto à Sociedade, são fundamentais para a nossa sobrevivência e crescimento!

Espero que todos nós tenhamos em mente que nosso objetivo não é impor a nossa forma de prática e os nossos conhecimentos uns aos outros.
Devemos expor o que sabemos e deixar que cada um, em função da sua capacidade e mérito individual, saiba assimilar e decidir o que é mais correto, tentando aplicar na prática o que aprender de bom.

Devemos acabar primeiramente com o preconceito que existe entre nós mesmos, e depois, de forma coerente, defender e eliminar o preconceito de outras pessoas e religiões contra nós.

Ficar afirmando que “isto ou aquilo não é Umbanda”, não é atitude de um bom Umbandista, e confunde aqueles que não conhecem e discriminam a Umbanda.
Não seria mais fácil dizer que existem vários tipos de Umbanda, e que nós praticamos um determinado tipo, com determinadas características?

09:15h -Apresentação dos Participantes

TÓPICO PRIMEIRO – ÉTICA NA UMBANDA

Segundo o Dicionário Aurélio Buarque de Holanda, ÉTICA é “o estudo dos juízos de apreciação que se referem à conduta humana susceptível de qualificação do ponto de vista do bem e do mal, seja relativamente à determinada sociedade, seja de modo absoluto”.

É importante nos mantermos alertas contra as loucuras que são cometidas por aí afora sob o nome de Umbanda. Mas isso deve ser combatido entre nós! Através do estudo, esclarecimento, compreensão, direcionamento, e não espalhado aos quatro ventos!

Vemos por aí publicações da igreja católica, noticiando os casos de pedofilia? Ou algum jornalzinho espírita, contando os casos de espíritas que passaram a cobrar por suas psicografias?

Nós divulgando este tipo de atitude incorreta estamos fornecendo munição para os opositores e detratores da nossa religião.

A idéia de criarmos um código de ética, não possui a intenção de definir formas de culto, mas sim de definir aquilo que de forma alguma poderia ser aceito na nossa Religião. Mesmo que possa parecer absurdo, existe uma série de atitudes imorais, amorais e, até, ilegais, sendo praticadas sob o nome de Umbanda.

Criando um código de ética e o divulgando, damos uma diretriz aos umbandistas; MAS, deixando que cada um escolha basear-se ou não neste código de acordo com seu livre arbítrio.
Itens a discutir.

10:00h – Item 1 -Umbanda x Drogas

As drogas prejudicam o desenvolvimento mediúnico?
As drogas prejudicam a atuação do médium nas consultas?
A umbanda se utiliza de alguma droga (ilegal ou não) em seu culto?
O que fazer quando um médium está se utilizando de drogas?

11:00h – Pausa para um café

11:15h – Item 2 – Umbanda x Política

O Umbandista deve ter atuação na política?
Deve buscar votar em outros Umbandistas?
Deve temer o crescimento dos evangélicos dentro da política?
Sabe que leis garantem sua liberdade de culto?

12:15h – Item 3 – Umbanda x $$$$.

Os trabalhos podem ser cobrados?
As consultas podem ser cobradas?
O que difere a Salva da Exploração Financeira do culto?

Ata:
.
Participantes de Fórum:

1) Flavio Laplace – Tenda Umbandista Cabocla Jurema e Vovó Cambida
2) Guilherme – União Espírita São Jorge dos Trabalhadores da Jurema
3) Raquel – Dirigente da Sociedade Espiritualista Mata Virgem
4) Alda – Cabana Espírita Pai Antônio
5) Alessandro – Ilê Ogum Beira Mar
6) Bárbara – Grupo Espírita Obreiros de Oxalá
7) Cristina – Grupo Espírita Obreiros de Oxalá
8) Vitor Hugo – Sociedade Espiritualista Mata Virgem
9) Sandra Lúcia – Cabana da Vovó Luzia
10) Fernanda – Cabana da Vovó Luzia
11) Vitor Peregrino – Centro Espírita Casa dos Pequenos Seareiros
12) Letícia Corrêa – Dirigente do Ilê Ogum Beira Mar
13) Gisele – Ilê Ogum Beira Mar
14) Elizabeth Sardinha – Ilê Ogum Beira Mar
15) Cláudio – Sociedade Espiritualista Mata Virgem
16) Carla – Sociedade Espiritualista Mata Virgem
17) Alexandre – Sociedade Espiritualista Mata Virgem
18) Cristina – Sociedade Espiritualista Mata Virgem
19) João Luiz – Sociedade Espiritualista Mata Virgem
20) Gilcéia Marques – Cabana Espírita Pai Antônio
21) Márcio – Cabana Espírita Pai Antônio
22) Patrícia – Sociedade Espiritualista Mata Virgem

Ética na Umbanda:

A criação de um código de ética contendo as práticas e rituais genuinamente umbandistas. Afinal, existem práticas amorais e antiéticas que apesar de não serem umbandistas, são consideradas como tais.
Esse Código seria uma diferenciação para os iniciantes em nossa religião e uma forma de defesa para todos os umbandistas.

Umbanda e Drogas

1) As drogas prejudicam o desenvolvimento mediúnico, pois atrai irmãos de baixas vibrações que sentem a falta e necessitam saciar os seus vícios, após o desencarne.

2) Devemos classificar as drogas em licitas e ilícitas. As ilícitas, como a cocaína, maconha e etc, de acordo com a opinião de todos, não devem ser usadas de forma alguma pelo médium ou em qualquer ritual dentro dos Terreiros de Umbanda. O médium antes de tudo deve respeitar a lei vigente em seu país de origem. As lícitas (álcool e fumo) podem ser usadas desde que o médium respeite o resguardo e não abuse de sua utilização.

3) Outro fato que devemos lembrar e registrar é que não podemos confundir a manipulação das drogas lícitas como o cigarro e fumo pelas entidades, com os vícios dos médiuns.

4) Nenhuma casa deve permitir médiuns viciados no trabalho mediúnico. O ideal é que ele seja tratado e esclarecido, para que possa voltar a executar a sua mediunidade, com mais firmeza e amor.

5) Em caso de menores de idade, o guia deve ser instruído a não utilizar álcool e fumo, pois são drogas lícitas, mas proibidas para menores de idade, e podem acarretar problemas para o corpo físico do menor, assim como, problemas legais para o centro.

Umbanda e Política

1) Primeiramente, o lado ecológico está totalmente interligado com a política sendo necessário um estudo para que, em nossas oferendas, trabalhos e obrigações, sejam substituídos materiais que corroem e afetam negativamente a natureza por outros que não afetem o meio ambiente.

2) O problema religioso na política, não são as religiões em si, evangélicos, católicos, mas a intolerância religiosa e a não aceitação das diferenças.

3) É necessário que os umbandistas tenham uma maior consciência não deixando de afirmar sua opção religiosa em censos, pesquisas e até mesmo em locais de trabalho, família e etc. A Umbanda é uma religião como qualquer outra e não é vergonha ou errado partilhar aos outros sua opção religiosa.

4) Devemos ter cuidado com o crescimento evangélico neopentecostal na política, facção religiosa que tem demonstrado a intenção de não permitir a existência de outras religiões, principalmente as Espíritas/Espiritualistas, caso da Umbanda, sendo necessário aos umbandistas, encontrar e votar em candidatos que venham a defender a Umbanda ou o direito de livre opção religiosa para todos.

5) O umbandista deve estar atento às leis que regulam a livre manifestação religiosa, para que possa se defender, se necessário, de casos como os acontecidos nos festejos a Iemanjá em São Paulo e como nos recentes processos contra a Rede Record e Rede Mulher.

Umbanda x Dinheiro

1) A Salva pode ser entendida como uma forma de ajudar a casa. O dirigente ou responsável deve ter bom senso em relação a isso.

2) A existência de doação oferecida pelos médiuns e assistentes/consulentes aos Terreiros foi aceita por todos.

3) Consulta com Guias espirituais não deve ser cobrada.

4) Todos têm o direito de ser atendidos, segundo a lei de Umbanda.
“Dai de graça, o que de graça recebestes.”

5) A salva é um valor simbólico, podendo ser velas e etc.

6) Trabalhos, descarregos e obrigações “podem” ter a salva.

7) O material para trabalhos, deve ser comprado preferencialmente pelo consulente.
Não tendo ele condições, a casa pode ajudar, propiciando meios para que o trabalho Espiritual seja concretizado.

8) A Salva não pode ser obrigatória.

9) Todos devem ser atendidos Espiritualmente.

Finalizando

Sabemos que o assunto(Ética na Umbanda) não se resume a estes pontos, mas esta é por enquanto a nossa colaboração a respeito do assunto. Temos planos de realizar outros Foruns para completar este assunto e debater outros mais.
Talvez as opiniões aqui descritas não sejam a de algumas pessoas, não temos de forma alguma a pretensão de ditar regras para a Umbanda ou para os frequentadores desta comunidade e nem mesmo para os presentes ao Forum.
Mas gostaríamos que os demais participantes, dos demais estados também organizassem forums nos seus estados para debater e levantar mais opniões ertinentes ao assunto.
Assim num futuro próximo poderiamos fazer um forum de âmbito nacional com representantes de cada estado.Peço aos demais membros que comentem sobre o que foi abordado, debatam os assuntos, levantem outros pontos; MAS respeitando-se mutuamente, para manter o clima de harmonia que sempre reinou nesta comunidade.

FOTOS DO EVENTO:

SEMAV (Assistência) – Espaço que foi oferecido para realizarmos o I Forum Umbanda por Amor.
SEMAV (Assistência em outro ângulo) – Espaço que foi oferecido para realizarmos o I Forum Umbanda por Amor. Flávio Laplace(Secretário) e João Luiz(Moderador da Comunidade) se preparando para o início do Forum.

Da direita: Sandra, Fernanda, Cláudio, Carla e Alexandre.

Da direita: Carla, Alexandre, Cristina, Vitor e Gisele (com o Pedro no colo).

Da direita: Gisele (com o Pedro no colo), Letícia (Dirigente do Ylê D’Ogum Beira Mar), Elisabeth, João Luiz (Moderador da Comunidade) e Flávio (Secretário). Da direita: Alda, Bárbara, Cristina Zecchinelli, Vitor e Raquel (Dirigente da SEMAV).

Todos os Participantes Juntos.

Raquel (Dirigente da SEMAV), Alda, Márcio, Gisele, Alexandre, Elizabeth, Vitor, Letícia(Dirigente do Ylê D’Ogum Beira Mar), Pedro(no colo), Flávio, Cristina, Cláudio, Vitor, João, Josilene.

Flávio, Pedro(no colo), Cristina Zecchinelli, Vitor, Cláudio, João, Josilene, Fernanda, Bárbara, Sandra, Carla, Patrícia e Cristina.

Guilherme, Alessandro e João Luiz.

Autorizado por: João Luiz Rodrigues