Igreja Presbiteriana


O Presbiterianismo no Brasil

Baseado nos trabalhos do Rev. Júlio Andrade Ferreira

Coube-me a responsabilidade e o privilégio de apresentar uma informação sobre a Igreja Presbiteriana do Brasil, emergida da Reforma Religiosa do Século XVI. Mais especificamente surgiu da Tradição Reformada (no Continente) ou Presbiteriana (na Escócia), que em virtude de pressões sociais passou à América do Norte, no Século XVII, e daí ao Brasil, no Século XIX.

A Igreja Presbiteriana do Brasil tem como marco inicial, a chegada de Ashbel Green Simonton ao Rio de Janeiro, no dia 12 de agosto de 1859. Franceses reformados, ainda em vida de João Calvino, tinham tentado se estabelecer na mesma cidade do Rio, sob a chefia de Nicolau Villegagnon, mas esse esforço fracassara.

Simonton estava sendo enviado pela Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos da América, através da “Board of New York”.

Esse pioneiro mostrou-se muito capaz. Nos oito anos de vida no Brasil, conseguiu dominar a língua do país de sua missão, fundou a Igreja Presbiteriana do Rio, o Presbitério do mesmo nome, publicou um jornal – “A Imprensa Evangélica”, e instalou o chamado “Seminário Primitivo” do Rio.

George Chamberlain, um dos companheiros de Simonton, mostrou-se igualmente amigo de uma fé esclarecida. Fundou em São Paulo, não somente uma igreja, mas também uma escola, a saber “Escola Americana” – gérmen da Universidade Mackenzie.

A Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos (do sul), através do chamado “Committee of Nashville”, enviou para Campinas, Estado de São Paulo, a dupla George Morton e Eduardo Lane, onde fundaram a Igreja e o “Colégio Internacional”, gérmen do Instituto Gammon, em Lavras, Minas Gerais, bem como a Escola Superior de Agricultura, hoje sob a responsabilidade do Governo Federal.

O referido Colégio foi a primeira instituição de ensino norte-americano na América Latina, introduzindo assim uma metodologia diferente.

Sem entrar em pormenores quanto a essa renovação, convém ressaltar o cunho de equilíbrio, intelecto, emoção e ação, que caracteriza o pensamento “reformado”, ou seja “calvinista”. Esse equilíbrio fundamenta na Igreja o governo “representativo”, em contraste com o “episcopal” e o “congregacional”.

Calvino foi um dos fundadores da Democracia.

Foi também um dos fundadores do capitalismo, conforme o declarou Max Weber, sociólogo judeu-cristão. Não pregou capitalismo selvagem a que a ambição humana levou a livre empresa, mas capitalismo da justiça social. O trabalho é vocação de Deus, o estilo de vida deve ser simples; é lícito poupar e investir, mas não o explorar.

Recentemente, no Congresso Nacional em Brasília, o Senhor Presidente do Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana do Brasil, Rev. Guilhermino Cunha, fez o seguinte pronunciamento:

“A Igreja Presbiteriana do Brasil, desde o Brasil Império, 1859, está atuando em terras brasileiras, deixando marcas profundas nas áreas da educação, da cultura, das artes, da ciência e, acima de tudo, contribuindo para a transformação moral e espiritual do nosso povo, através da pregação do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo. O ser humano nunca mais será o mesmo após um encontro com Cristo. De fato, “se alguém está em Cristo, é uma nova criatura, as coisas antigas já passaram, eis que se fizeram novas todas as coisas”. Só podemos construir um Brasil novo, a partir de um homem novo.”

A História da Educação no Brasil registra os nomes de alguns educadores de alto gabarito, todos introdutores de sólidas reformas e campeões de renovação editorial, cada um na sua matéria.

A IPB se faz presente, não só por escolas, que disseminam a cultura, mas também por hospitais que recuperam a saúde.

“Na área da Saúde e da Ação Social, temos 5 (cinco) grandes Hospitais Presbiterianos servindo ao povo brasileiro: em Londrina, no Paraná, Rio Verde e Anápolis, em Goiás, Dourados, em mato Grosso do Sul, e em Patrocínio, Minas Gerais. Sem falar no Hospital Porta da Esperança que serve aos índios Caiuás e Terenos, e nos chamados Hospitais Evangélicos espalhados por este imenso País, nos quais nós, presbiterianos, temos significativa parcela de apoio e sustentação. Temos dezenas de clínicas, orfanatos, centros de recuperação e casas para idosos.”

No atual quadro político brasileiro, o Presidente da IPB enumera nomes significativos, que são elementos evangélicos, em especial, presbiterianos. Essa presença no Congresso reflete a atuação da Igreja Presbiteriana do Brasil na vida nacional.

“No campo da política, posso referir-me aos calvinistas, presbiterianos de boa tradição reformada: Senadora Benedita da Silva, Rev. Joaquim Beato, Suplente do Senado, Gerson Camata, Deputado Elias Abraão, pelo Paraná, Deputado Silas Brasileiro, por Minas Gerais, Deputada Lídia Quinan, por Goiás, Deputado Edinho Araújo, por São Paulo, Antônio Teixeira Gueiros, no governo do Pará, Antônio Cabrera, no Ministério da Agricultura, Evandro Gueiros, no Tribunal Federal de recursos e vários Deputados Estaduais e Vereadores. Governadores de Estado, presbiterianos: Geremias de Matos Fontes (1964/68, Rio de Janeiro, Vice-Governador do Rio 1970/74 – Erasmo Martins Pedro, Nilo Batista, recentemente Governador do Rio de Janeiro”

A corrente de Calvino pretende ser expressão de fé mas, livre de magia. Desde a primeira redação das Institutas é uma expressão legítima da Fé Cristã.

Importa encerrar esta nota.

John Stott, escritor inglês, publicou um livro pequeno, intitulado “Crer é também pensar”. Na verdade é um pequeno grande livro, cujo conteúdo é definido pelo título. toda uma crosta de magia infelizmente, acaba por aderir às verdades da fé. O livro é uma denúncia.

A Igreja Presbiteriana do Brasil é uma Igreja calvinista – sustenta uma fé esclarecida.

Quem São os Presbiterianos

Baseado nos trabalhos do Rev. Wilson Azevêdo

Os presbiterianos fazem parte do tronco calvinista da Reforma iniciada na Alemanha por Martinho Lutero no século XVI. A teologia e forma de organização da Igreja Presbiteriana são resultado da aplicação, na Escócia, dos ensinos de João Calvino em Genebra e Strasburgo. No Brasil, os presbiterianos chegaram em 1859, através de missionários enviados pela Igreja Presbiteriana dos EUA, lá estabelecida desde a chegada dos primeiros “pais peregrinos”.

O tema central da pregação de Jesus, o Reino de Deus, é também o centro da teologia presbiteriana. Cremos num Deus que é Rei e que, em sua soberania, não se presta à manipulação humana. A forma de organização das igrejas presbiterianas segue um modelo representativo de governo.

Cada igreja local é dirigida por um conselho de presbíteros eleitos pelo voto da assembléia de membros da comunidade, para um mandato de 5 anos. O conselho é presidido por um pastor, ele também eleito pela assembléia da igreja, para um mandato de até 5 anos. A partir da igreja local, segue-se um modelo federativo de organização, com presbitérios formados por igrejas de uma região, sínodos reunindo presbitérios de uma região mais ampla, e o Supremo Concílio, órgão máximo da Igreja Presbiteriana do Brasil.

Uma característica marcante da Igreja Presbiteriana é sua ação no campo da educação. Onde houver uma igreja presbiteriana alguma iniciativa estará sendo tomada nesta direção. Esta característica encontra-se na origem de instituições educacionais de alto nível como a Universidade de Princeton, nos EUA, e a Universidade Mackenzie, no Brasil.

Planejamento Estratégico

Baseado nos trabalhos do Rev. Guilhermino Cunha

O Planejamento Estratégico lança a base para todas as ações da Igreja. Ele foi elaborado dentro da melhor técnica e com ampla participação da liderança da Igreja.

Não é completo, nem perfeito. Foi feito por homens e mulheres como você. Leia-o primeiro. Anote as suas sugestões e idéias. E veja como você pode divulgar estas idéias positivas, criativas e que vão contribuir para o crescimento integral e integrado da Igreja.

Visão

“A IPB é uma comunidade de famílias cristãs-reformadas comprometida com a proclamação da Palavra, com a educação e com a transformação do ser humano e da sociedade.”

Missão

“A missão da IPB é: Anunciar o Reino de Deus, Educar para a vivência cristã e Assistir o ser humano em suas necessidades.”

Lema

“IPB, Evangelização, Educação e Ação Social.”

Alcance

“A comunidade local, a cidade, o estado, o país e o mundo.”

Valores e Princípios

Soberania de Deus
Escrituras Sagradas
Símbolos de Fé:
Confissão de Fé
Catecismos
Análise do Ambiente

Oportunidades

Uso de inovações tecnológicas
Falência da ação social e educacional do estado
Crise de lideranças na sociedade
Transformações Demográficas
Recrudescimento do Misticismo
Desestruturação familiar e social
Transformações institucionais em andamento

Ameaças

Descrédito dos “Evangélicos”
Influências do Neo-Pentecostalismo
Influência maléfica através da mídia eletrônica
Esforço de Grupos Religiosos para barrar o crescimento dos evangélicos
Imoralidade que campeia no país
Diversidade Litúrgica

Pontos Fortes

Estrutura Organizacional
Sistema de Governo
Potencial do Trabalho Leigo
Credibilidade e Simpatia
Escola Dominical
Preparo das Lideranças e dos Pastores
Literatura Religiosa
Entidades Assistenciais da Igreja
Embasamento Bíblico-doutrinário
Diversidade Litúrgica
Pontos Fracos

Burocracia e Falta de Organização
Falta de Programa Global da IPB
Desunião da liderança
Fraca consciência denominacional
Comunicação interna deficiente
Falta de reciclagem dos pastores
Diversidade Litúrgica
Falta de percepção das mudanças no ambiente social e político
Deficiência no ensino teológico
Falta de discipulado
Dificuldades em manter o andamento dos projetos
Desperdício do potencial dos presbíteros

Crescimento

Estratégias

Promover Campanha Nacional de Evangelização, com a participação de todas as igrejas;
Prosseguir no diálogo com a IPI e com os demais grupos presbiterianos;
Estimular programas de cooperação e consórcio entre igrejas locais para crescimento, alocando recursos para congregações com reais condições de se tornarem igrejas e com construção de templos-escola.;
Implantação imediata do PMC (Plano Missionário Cooperativo);
Desenvolver conscientização das Igrejas para o despertamento quanto ao dever de investir em evangelização;
Identificar as necessidades e potenciais de crescimento, visando a elaboração de um projeto-piloto de evangelização adaptável a cada região.

Metas e Desafios

Realizar campanhas de evangelização simultâneas em 1996, 1997 e 1998, com a realização de cruzadas evangelísticas em todo território nacional;
Cada Presbitério abrirá 2 trabalhos anualmente em municípios não-alcançados pela IPB até o ano 2.000.
Estabelecer uma campanha nacional de discipulado com a meta de cada presbiteriano gerar mais 2 em 4 anos: “DOBRAR O NÚMERO DE PRESBITERIANOS ATÉ A VIRADA DO MILÊNIO” ;
Organizar congressos regionais de treinamento para evangelização, visando a capacitação de obreiros e a mobilização dos crentes;
Organizar um projeto nacional de evangelização com o mapeamento regional de necessidades e potencialidades;
Dobrar o número de missionários até o ano 2.000
Implantação imediata do Plano Cooperativo Missionário
Oração

Estratégias

Estabelecer uma Campanha Nacional de Oração pela implantação do Plano Estratégico da IPB.

Oração

Metas e Desafios

Organizar a Campanha Nacional de Oração, com a participação de todas as Igrejas até o final de 1996.

Plano de ação

Plano Global

Crescimento da IPB com a implantação imediata do Plano Missionário Cooperativo nesta CE-SC/IPB.

Plano Setoriais

Trabalho Feminino

Visitar os campos missionários da JMN, dividindo o Brasil em 13 grupos/setores que receberão visitas de comissões da Confederação Nacional, que organizará SAF’s nos campos;

Encontros Regionais de Treinamento, apresentando as metas propostas pelo Planejamento Estratégico da IPB;

Visita aos campos missionários da Espanha e de Portugal, alimentando o trabalho da mulher na obra missionária.

Trabalho de Adolescentes

Treinar Secretário Sinodais e Presbiteriais com vistas ao aproveitamento do potencial do adolescente, preparando-o para a liderança na Igreja;

Visitas às cinco regiões brasileiras, estimulando a criação de UPA’s e realizando congressos.

Trabalho Masculino

Realizar seis bienais para capacitação, treinamento e planejamento a nível nacional;

Distribuir cinco mil bíblias em 1996 em todo território nacional;

Visita ao campo missionário do Paraguai, estimulando a organização de UPH;

Envolver o homem presbiteriano no plano de “Plantar Igrejas” da IPB.

Trabalho da Mocidade

Aumentar o número de UMP’s e de jovens presbiterianos onde não há o trabalho organizado;

Visitar as cinco regiões do Brasil estimulando a organização de Confederações e Federações e fortalecendo as já existentes;

Envolver os jovens com a Missão e as Metas da IPB até o ano 2000.

Trabalho de Infância

Preparar líderes para o trabalho com a infância, realizando nove encontros em diversas regiões do Brasil;

Visitar os campo missionários da JME e da JMN realizando campanhas de evangelização para crianças;

Através de visitas aos Seminários, estimular os seminaristas quanto à importância do trabalho com a infância na Igreja;

Estimular a organização de UCP’s e Federações Presbiteriais.

Família

Estratégias

Fortalecimento do trabalho infantil nas Igrejas.

Fortalecimento da orientação familiar, com a criação de cursos orientados para o fortalecimento dos laços familiares em todas as igrejas, e campanha nacional no mês de maio.

Criação de uma Ação Pastoral para a Família.

Família

Metas e Desafios

Promover Campanha Nacional para que todas as Igrejas realizem no prazo de 1 ano um encontro para discussão de Infância e Família, dentro de um Programa de Fortalecimento da Família;

Providenciar material adequado para os vários níveis da problemática familiar.
Plano de Ação Global de Oração e Família

Inserir em todos os órgãos de divulgação periódicos da IPB, inclusive os devocionários, matérias inspirativas, tais como testemunhos e experiências bem sucedidas de famílias da Igreja;

Determinar ao CECEP e à LPC a produção de material adequado à problemática familiar, nesta CE-SC/IPB.

Ensino Teológico

Estratégias

Fortalecimento do ensino teológico através da melhor estruturação dos seminários e Institutos Bíblicos da implementação de programa de capacitação dos seus docentes.

Comunicação

Estratégias

Utilizar todos os meios de comunicação (mídia) na divulgação do Evangelho e para melhorar e popularizar a imagem da IPB.

Melhorar o processo de comunicação interna entre as lideranças e as igrejas.

Comunicação

Metas e Desafios

Promover uma reestruturação dos processos de comunicação interna da Igreja;
Organizar e Implantar um Plano Geral de Comunicação e Marketing para a Igreja;

Sites na Internet

– Igreja Presbiteriana Brasileira

http://www.ipb.org.br

– Presbiteriana da Taquara

http://www.ipb.org.br/iptaquara

– Presbiteriana de Cuiabá

http://www.cba.nutecnet.com.br/inter/ipc/

– Presbiteriana do Planalto

http://www.ipb.org.br/ipplanaltodf/

– Presbiteriana de Governador Valadares

http://www.geocities.com/Athens/4474/

– Presbiteriana de Fortaleza

http://www.geocities.com/SoHo/2570/

– Igreja Presbiteriana Belo Horizonte

http://www.churchonline.com/brazils/mg/tpc/tpc.html

– Presbiteriana de Joinville

http://www.geocities.com/Athens/7257/home.htm

– Presbiteriana de Vila Mariana

http://www.ipvm.org.br

– Presbiteriana de Botafogo – RJ

http://www.ecp.inf.puc-rio.br/~eduardor/ipb.html

– Igreja Presbiteriana de Belo Horizonte

http://www.bhnet.com.br/pipbh

– Independente Campinas

http://www.geocities.com/SoHo/Lofts/4478/ipicamp.htm

– Presbiteriana Nacional Brasilia

http://www.ipb.org.br/ipnnet/

– Igreja Presbiteriana Independente de Londrina

http://www.sercomtel.com.br/~igrejapi

– Presbiteriana Rocha Eterna

http://www.tatui.com.br/rocha

– Presbiteriana Betel Rio de Janeiro

http://www.ipb.org.br/ipbetel/

– Presbiteriana de Juiz de Fora

http://www.1ipjf.com.br

– Presbiteriana do Recife

http://www.ipb.org.br/iprecife

Endereços para Contato

– Igreja Presbiteriana do Planalto (Brasília)

Localização do Templo

SGAN 611, Módulo B – nas dependências da Faculdade Teológica Batista

de Brasília, à Avenida L2 Norte, SGAN 611, Módulo B. 061) 272-0809

– Igreja Presbiteriana da Gávea (Rio de Janeiro)

Rua dos Oitis, 63 Gávea – Rio de Janeiro – R.J – Brasil

Cep: 22451-050 Telefone: (021) 274-3149 Telefax: (021) 274-3148

– Igreja Presbiteriana de Botafogo (Rio de Janeiro)

Rua da Passagem, 91 – Botafogo – Rio de Janeiro – RJ

CEP 22290-030 – Telefax: (021) 295-6099 / (021) 542-6948

– 1ª Igreja Presbiteriana de Belo Horizonte

Rua Ceará 1434 – Praça ABC Fone: 031 273 7044

– Igreja Presbiteriana do Planalto (RN)

Av. Sérvulo Marcelino, S/N – Planalto 13 de Maio

CEP – 59633-590 – Mossoró-RN

– Igreja Presbiteriana do Estreito (Florianópolis)

Rua Aracy Vaz Callado, 804 – Estreito – Florianópolis/SC

Fone: (048) 244 5669

– Igreja Presbiteriana de Jardim Guanabara (Campinas)

Rua Barbosa da Cunha 562 / 580 Jardim Guanabara

Cep: 13033-680 – Campinas – SP Telefone e Fax: (019) 241-8533

– Igreja Presbiteriana de Fortaleza

Av. Visconde do Rio Branco, 1636, Centro / Fortaleza – CE

Tel: (085) 226-5119 – Gabinete Pastoral (085) 226-5607 –

– Igreja Presbiteriana da Taquara (Rio de Janeiro)

Rua Ariperana, 231 – Rio de Janeiro – RJ Telefone: 021 342-9818

– Igreja Presbiteriana Vila Mariana (São Paulo)

Rua Vergueiro, 2407 – São Paulo CEP 04101-200 – SP

Telefone: (011)570-2929 Fax: (011)570-6558

Reverendo Eudes Coelho Silva

Livros Indicados

As Institutas de Calvino
Os Livros de André Bieler
História da Igreja Presbiteriana de Julio Andrade Ferrreira
Livros de História do Rev. Boanerges Ribeiro

Para pedidos CEP – Casa Editora Presbiteriana.
Tel: (011) 270-7099. Fax: (011) 279-1055.

RETIRADO DO SITE:
http://www.edeus.org/edeus/presbiteriana.htm