MULHER ESPECIAL


Há mulheres que são especiais.
Em dadas circunstâncias, parecem princesas ou mesmo rainhas, pois encantam,
fascinam e mostram ter poderes de tal modo expressivos, diante dos quais
dobramos a cerviz.
Há ocasiões em que são como administradoras ou economistas, quando se põem a organizar a vida do lar, seus movimentos e despesas, tudo aquilo que se
compra e o que se põe na mesa, para a fruição de todos.
Conseguem, muitas vezes, ajuntar alguma quantia que sobra para momentos mais difíceis.
Quantas vezes se mostram como agentes de disciplina?
Alteiam a voz, como quem dá voz de comando, ordenam, impactam com o tipo de inflexão que utilizam, e põem, dessa maneira, tudo e todos em seus devidos
lugares, dentro de casa.

São quais colegas, quais colegiais, variadas vezes.
Envolvem-se com os pequenos, brincam, jogam com eles; riem-se deles e com
eles, até o momento justo de estancar a brincadeira.
Mulheres há que se tornam médicas ou enfermeiras, diante das necessidades
dos seus filhos.
Acolhem-nos, preparam-lhes poções e chás diversos, e, muitas vezes
contrariando as instruções formais, dão-lhes xaropes e pastilhas.
Se enfermos, banham-nos, põem-nos em seus leitos, recobrem-nos, acalentam e
vigiam, dias ou noites, dias e noites, até que retornem à saúde.
Mas, dentre essas mulheres incríveis, especiais de verdade, temos aquelas
que reúnem todas essas habilidades:
São mestras, são agentes disciplinares; são administradoras e economistas,
enfermeiras, psicólogas, são médicas.
São cozinheiras, lavadeiras, artesãs e fiandeiras. Conseguem ser
governantas, serviçais e chegam a ser santas.
Essas almas geniais de mulher são alimentadas pelo estranho ideal de sempre
entender, de atender e de sempre servir.
São companheiras próximas dos anjos, são servidoras de Deus e mensageiras da
vida. São nossas fãs, amigas extremadas para quem nunca há nada impossível,
quando se trata de atender-nos, de alegrar-nos, de ajudar-nos.
São mulheres sem igual. Perfumam como flores, são ardentes como a chama e
brilham como estrelas.
Nada obstante todos os elogios que lhes possamos dirigir, o que é mais
tocante, mais comovente, é saber que uma dessas mulheres, incumbidas por
Deus para mudar o mundo, ajudando-o a ser melhor, a ser um campo bom de se
viver, tem uma missão particular.
Há uma mulher para quem o Criador entregou a missão de cuidar-me, de
fazer-me estudar para entender, de ensinar-me a orar e a crescer, a
respeitar a todos e a servir para o bem.
Essa mulher é um encanto em minha vida, e não há ninguém que se lhe
assemelhe.
Ao vê-la, meus olhos marejam e bate forte o meu coração. Ela é tal qual
mistura de ouro e brilhante…
Ela é, por fim, a luz que torna meu caminho cintilante.
É aquela a quem chamo de minha mãe.

 

Equipe de Redação do Momento Espírita, com base em mensagem do Espírito Ivan de Albuquerque, psicografada por Raul Teixeira, em 08/03/2006, na Sociedade Espírita Fraternidade, Niterói-RJ.