INVEJA


 

Os homens são Espíritos destinados à angelitude.
Foram criados simples e ignorantes e gradualmente desenvolvem suas potencialidades e virtudes.
Por muito tempo viveram os instintos em sua plenitude.
Atualmente, deixam de forma paulatina a vida instintiva e pautam seu atuar pela razão.
No lento processo evolutivo, alguns antigos vícios perdem sua força.
Em seu lugar, algumas novas virtudes vicejam.
É no trato com os semelhantes que o homem toma contato com sua realidade espiritual.
Os embates do dia-a-dia tornam possível ao ser humano perceber suas fraquezas.
Ciente delas, pode dedicar-se ao seu combate.
Uma das fissuras morais bastante comuns na humanidade atual é a inveja.
São Tomás de Aquino definiu esse vício como a tristeza que se tem em relação às coisas boas dos outros.
O invejoso simplesmente se sente mal porque o próximo tem sucesso.
Não há necessidade de que algo lhe falte.
Ele apenas se considera diminuído com a grandeza alheia.
Na realidade, por vezes se perdoa ao semelhante mais facilmente um erro do que um acerto.
É mais fácil auxiliar quem cai do que suportar a vitória do outro.
Ante a fome e a enfermidade, não tardam mãos que auxiliam.
Os benfeitores, sob o prisma material, sempre ocupam lugar de realce.
O auxílio aos miseráveis pode propiciar, de algum modo, a satisfação da vaidade.
Bem mais difícil é ser feliz com a felicidade alheia.
Perante alguém que vence na vida, a animosidade com freqüência torna-se acirrada.
Não faltam fiscais e acusadores de alguém obtém algum sucesso.
Muitas vezes ouvimos a respeito de quem enriquece: “deve estar roubando!”
Na escola, o aluno que obtém boas notas não raramente é objeto de maldosas observações.
Ele ganha apelidos grosseiros e sofre comentários pouco generosos.
­Comenta-se que cola, que goza de favoritismos.
A inveja está muito presente em nossa sociedade.
A vontade de apontar os defeitos alheios é um indicativo desse vício em nós.
Trata-se de uma fissura moral bastante freqüente e reveladora de grande mesquinharia.
Prestemos atenção em nosso comportamento.
Apliquemos firmemente a vontade em alijar de nosso íntimo esse triste defeito.
Ser caridoso não é apenas amparar a miséria.
Ser feliz com a felicidade alheia também é uma forma de caridade cristã.
Valorizemos as conquistas e as virtudes dos outros.
Somos todos companheiros na imensa jornada da vida.
O clima psíquico da terra é fruto da soma da vibração de todas as criaturas que nela habitam.
Todos os homens têm a ganhar com a felicidade dos semelhantes.
Quando alguém se eleva, com ele se ergue toda a humanidade.
Quando alguém cai, é prejuízo na economia moral do planeta.
Alegremo-nos com as vitórias de nossos irmãos.
Ao vencerem, eles não nos tiram nada.
Muitas vezes dão preciosos exemplos, que podemos seguir.
Sejamos solidários nas dificuldades do próximo.
Mas participemos também, sinceramente, de seus júbilos.

 Equipe de Redação do Momento Espírita, com base no capítulo VII do livro Leis Morais da Vida, do Espírito Joanna de Ângelis, psicografia de Divaldo Pereira Franco.