POVO DE ARUANDA

ANUNCIE AQUI! povodearuanda@povodearuanda.com.br

Colares Mágicos

Posted by Administrador em dezembro 12, 2006


Conhecidas também como “Cordão de Santo”, “Colar de Santo” ou “Fio de Contas”.

São ritualisticamente preparadas, ou seja, imantadas, de acordo com a tônica vibracional de quem as irá utilizar (médium e entidade), e conforme o objetivo a que se destinam.

São compostas de certo numero de elementos (contas de cristal ou louça, búzios, Lágrimas de Nossa Senhora, dentes, palha da costa, etc..), distribuídos em um fio (de Aço ou Náilon) ou linha de pescar, obedecendo a uma numeralogia especifica e uma cromologia adequada, ou ainda, de acordo com as determinações de uma entidade em particular. De todos estes elementos citados, destacam-se as contas de cristal e os fios de aço, como aqueles que possuem melhores condições para captação de vibração

Utilizadas como um colar, durante um trabalho espiritual (p/ Ex. Gira de trabalho), pela entidade incorporada, tem função de servir como ponto de atração (Imã) e identificação da vibração principal e/ou falange em particular, atuante naquele trabalho, e portanto como elemento facilitador da sintonia e isolamento (contra vibrações negativas ou estranhas ao trabalho), para o médium incorporado. Quando utilizadas no sentido transversal ao corpo do médium (passando por baixo de um dos braços), indicam inversão de sexo, ou seja, médium feminino trabalhando com entidade masculina, ou médium masculino trabalhando com entidade feminina.

Alguns procedimentos devem sempre ser observados, no tocante ao uso e confecção das guias:
São elementos ritualísticos pessoais, individuais e intransferíveis, devendo ser confeccionadas, manipuladas e utilizadas somente pelo médium a quem se destinam.

Deve-se observar que cada indivíduo e cada ambiente, possuem um campo magnético e uma tônica vibracional próprios e individual (tanto positivo quanto negativo). A confecção ou manipulação das guias por outras pessoas, ou ainda, seu uso, em ambientes ou situações negativas ou discordantes com o trabalho espiritual, fatalmente acarretará uma “contaminação” ou interferência vibracional.

Como elemento de atração e isolamento, funcionam como um tipo de “Para-Raios”, atraindo para si, toda (ou quase) a carga negativa ou estranha ao médium, isolando-o até certo ponto. No entanto, as guias irão permanecer “carregadas” , até serem devidamente “limpas”.

Excepcionalmente, podem ser utilizadas pelo médium, para “puxar” uma determinada vibração, de forma a lhe proporcionar alivio em seus momentos de aflição. Nestes casos, 10 a 15 minutos de uso são suficientes.

Em qualquer dos casos, a guia ira proporcionar uma interferência no campo magnético do médium. Dependendo da situação ou circunstância, poderá ate mesmo causar-lhe um certo desconforto aparente ou mal-estar, devido a um aceleramento de sua Faixa Vibratória.

A Utilização indiscriminada de guias cruzadas, ou seja, aquelas confeccionadas de forma a atrair 2 ou mais falanges ou vibrações, pode comprometer desfavoravelmente um trabalho, visto que, a vibração atuante é manipulada pelas entidades, de acordo com o objetivo a ser alcançado. O mais adequado é confeccionar guias separadas, que poderão ser utilizadas em conjunto, quando e caso, a necessidade se apresentar.

Mesmo durante um trabalho espiritual ou ritualístico, notadamente antes de uma incorporação, o uso indiscriminado de diversas guias ao mesmo tempo, poderá prejudicar a sintonia do médium, uma vez que, diversas falanges serão atraídas ao mesmo tempo.

Apenas em casos muito raros e excepcionais, podem ser utilizadas em outra pessoa, como forma a favorece-la com uma vibração positiva específica (notadamente em relação a saúde), observando-se contudo o cuidado de ao retira-las, limpa-las adequadamente antes de serem reutilizadas pelo médium.

Pelos motivos expostos, o uso de guias pertencentes ou recebidas de outras pessoas, é uma pratica normalmente desaconselhável a um médium.

Como vimos, as guias são elementos ritualísticos muito sérios e como tal que devem ser respeitados e cuidados. Seu uso, deve se restringir ao trabalho espiritual, ao ambiente cerimonial (terreiro) e aos momentos de extrema necessidade por parte do médium. Utilizar a guia em ambientes ou situações dissonantes com o trabalho espiritual, ou por mera vaidade e exibicionismo, é no mínimo um desrespeito para com a vibração a qual representam.

Apresentamos a seguir, a numeralogia a correta, para confecção das guias referentes aos Orixás e Falanges de trabalho de nossa Umbanda querida, associadas a cromologia por nós adotada.

Oxalá

108 contas brancas, Leitosas ou de cristal

Obs: Somente deve ser usada por médiuns coroados

Ogum

Para os Filhos
119 Contas – 1 Vermelha seguida de 1 Branca
Obs: No fecho da guia, usar uma medalha ou firma referente à falange que os acompanha, ou seja, Ogum Megê, Ogum Beira-Mar, etc…

Para os Médiuns Filhos de outro Orixá
Para os que tem sua proteção, Aliada a do povo das Águas
Ex: Ogum Iara, Ogum Beira-Mar, Ogum Sete Ondas, etc..
117 Contas – 3 Brancas seguida de 3 Vermelhas

Para os que tem sua proteção, Aliada a do povo das Matas
Ex: Ogum Rompe Mato, etc…
119 Contas – 7 Vermelhas seguida de 7 Brancas

Para os que tem sua proteção, Aliada a do povo da Calunga
Ex: Ogum Megê, etc…
128 Contas – 7 Brancas, 1 Preta, 7 Vermelhas e 1 preta,
continuando a seqüência nesta ordem

Xangô

Para os Filhos
Na vibração Pura ( filhos de Xangô com Nanã ou Iansã )
117 Contas – 3 Amarela seguida de 3 Marrom

Na vibração Oriental ( filhos de Xangô com Oxum ou Iemanjá )
117 Contas – 3 Roxa seguida de 3 amarela

Para os Médiuns Filhos de outro Orixá
Para os que tem sua proteção, na vibração pura
114 Contas – 3 Marrons seguidas de 3 Amarelas

Para os que tem sua proteção, na vibração Oriental
120 Contas – 3 Amarelas seguidas de 3 Roxas

Para os que tem sua proteção, aliada a falange de Iansã
123 Contas – 1 Coral, 1 Marrom seguida de 1 amarela

Exus Da Encruzilhada

120 Contas – 3 Vermelhas seguidas de 3 pretas

Da Calunga
120 Contas – 3 Pretas seguidas de 3 Vermelhas

P.Giras
Da Encruzilhada
126 Contas – 7 Vermelhas seguidas de 7 pretas

Da Calunga
126 Contas – 7 Pretas seguidas de 7 Vermelhas

Exus e P.Giras
que atuam com falanges que preferem trabalhos na encruzilhada
122 Contas – 1 Vermelha seguidas de 1 preta

que atuam com falanges que preferem trabalhos na calunga
122 Contas – 1 Preta seguidas de 1 Vermelha

Agradeço a meu Irmão do Orkut (Saravá Umbanda), por informar o livro e nome do Autor deste texto, assim podemos dar crédito a quem por direito o tenha.

Fonte: Livro Umbanda do seculo XX – Autor Paulo Newton de Almeida

About these ads

6 Respostas to “Colares Mágicos”

  1. solange said

    Bom dia
    Por gentileza, eu gostaria de saber como faço para confeccionar uma guia das 7 linhas, quantas contas devo usar ?

    RESPOSTA

    Procure saber com seu Pai/Mãe no Santo cada Casa usa uma determinada quantidade, por exemplo dão nomes diferentes as guias eu nunca ouvi falar nessa que você fala, talvez eu a conheça com outro nome.

  2. Sara said

    Adoro esse site..

  3. Sara said

    Por gentileza, me diga…como confecciono uma guia de Ogum beira mar?

  4. Alexandre said

    gostaria de saber o nº de contas numa guia do seu Zé Pelintra??

  5. carlos said

    gostaria de saber aas cores do exu das matas como fazer a guia.obrigado

  6. Regiane said

    Boa noite! Gostaria de saber sobre as cores das guias usadas na linha de baino e tambem a guia usada pelo caboclo cobra coral.
    Desde ja agradeço.

Os comentários estão fechados.

 
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 38.558 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: